Arquivo da categoria: Mediunidade

FILHO DE FÉ, RESPEITE O PRECEITO

Imagem

PRECEITO: s.m. Aquilo que se aconselha fazer ou praticar; regra, ensinamento: os preceitos da religião.
 Ação de prescrever; prescrição.
Religião. Norma ou mandamento.
(Etm. do latim: praeceptum.i)

 

Toda profissão, todo esporte, toda lei, toda religião tem seus preceitos. Parece-me que a vida humana e social é regida dentre outras coisas de preceitos.

Não é diferente na Umbanda, todo umbandista do mais veterano ao mais novato sabe dos preceitos básicos para participar de um trabalho espiritual e é talvez uma das poucas coisas que são igualmente presentes em todos templos de Umbanda, diferenciando apenas um ou outro preceito mais específico de templo a templo.

Embora seja algo de conhecimento comum, observamos muitos negligenciarem preceitos fundamentais, ou seja, de fundamento.

Vivemos um período novo na Umbanda, de muita comunicação, de farta informação, estudos e acessos, no entanto, o ônus disso é muitas vezes a confusão, a dispersão ou mesmo a negação daquilo que é tradicionalmente fundamental em detrimento de uma “nova” consciência.

Hoje encontramos discursos inflamados e até mesmo bem construídos querendo desconstruir preceitos que são o que são porque foram assim ensinados pelos espíritos na Umbanda.

Alegar parafraseando Jesus, que o mais importante é o que sai pela boca e não o que entra validando comer carne e beber álcool em dias de trabalho espiritual é uma grande falta de entendimento básico sobre o que é preceito, bem como um ato de ignorância diante a mística da religião.

Sei que existem preceitos sem precedente e outros bem exagerados, talvez na minha ótica, pois não os pratico em meu Templo, porém o fato de eu não conhecer ou praticar, isso não invalida um preceito particular.

Realmente precisamos distinguir o que é preceito e o que é superstição, talvez seja aí onde nos esbarramos com muitos conflitos.

Preceitos são orientações importantes para nortear e conectar o fiel numa dinâmica mais profunda com sua espiritualidade. Muitas vezes pode parecer até purgativo e quanto mais difícil parecer um preceito, mais eficácia reflexiva ele oferece ao fiel. Pois é, na proibição daquilo que lhe é rotineiro em função de algo maior, lhe faz refletir sobre a diferença entre o Sagrado e o Profano, sobre sua capacidade de dedicação e comprometimento, sobre a sua disponibilidade em ser mais eficiente e mesmo sobre a real importância da religião na sua vida. Já vi muitos casos de pessoas se reformarem ao observar com dedicação os preceitos.

Para vegetarianos o preceito de não comer carne um dia antes do trabalho espiritual não significa nada, ele de certa forma vive este preceito todos os dias, este indivíduo não precisa abrir mão de nada neste caso, de modo que não propõe nenhuma reflexão no período.

Numa ótica litúrgica, preceitos tem portanto o objetivo que religar (religare) o fiel com o Sagrado. No entanto, como na Umbanda existem questões mais complexas, consideramos o plano das energias e todos e tudo como energias, então os preceitos contemplam as particularidades que viabilizam maior sutilização e purificação do campo energético e magnético daqueles que participam do trabalho espiritual.

Perceba que em nenhum momento digo que os preceitos servem apenas aos médiuns, embora muitos acreditam que sejam. Um erro. Os preceitos servem para todos que compõem o corpo interno de trabalhadores da Gira, ou seja, médiuns, cambones, curimba e todos com qualquer outra função que estejam participando diretamente do trabalho espiritual, portanto somente a consulência está livre das orientações preceituais.

Então compreenda que os preceitos não são opcionais e tem fundamento.

Abaixo listo alguns preceitos básicos e comuns.

Banho de Ervas – antes de ir para o Templo, tem como objetivo limpar e sutilizar o campo energético em camadas mais superficiais. O modo de preparo e as ervas a serem utilizadas é específico a cada Templo;

Carne – não comer carne 24hs antes do trabalho espiritual, no mínimo 24hs. E é todo tipo de carne. Tem como objetivo minimizar os impactos vibratórios densos mais internos ocasionados pela ingestão destes alimentos. A carne é impregnada de energia densa, por conta do sangue, muitas vezes do sofrimento no abate e criação. Sua digestão também é lenta e isso altera nosso metabolismo e faz concentrar muita energia na digestão. Após 24hs nosso campo energético já terá metabolizado este magnetismo e retomado o padrão;

Ingestão Alcoólica – o elemento etílico é potencialmente densificador vibratório e magnético, impregnando o campo áurico de uma energia desestabilizadora. Após ingerir bebida alcoólica desde que moderadamente, demora cerca de 24hs para ser metabolizado pelos chakras e o padrão vibratório se restabelecer;

Relação Sexual – evitar relação sexual 24hs antes dos trabalhos. Muitos questionam que se praticam o sexo com parceiro fixo, cheio de amor, então deveria ser revisto este preceito. Esta idéia tem como precedente uma visão errada do sexo de que seria ele algo nocivo. Mas não se trata nada disso.

A observação deste preceito se dá, pois com ou sem amor, na relação sexual o campo energético em todas escalas é inundado pela energia do parceiro, alterando completamente a estrutura magnética do seu campo vibratório, o que dificulta a fusão magnética entre as entidades e os indivíduos. Após 24hs já terá sido metabolizado e restituido o padrão magnético do indivíduo.

Existem muito outros preceitos mais específicos. Aqui pontuei superficialmente os 4 básicos que encontraremos em qualquer templo.

Sendo assim, fica o alerta para que você filho de fé da Umbanda, observe, respeite e pratique com empenho os preceitos. Isso lhe dará maior consciência religiosa, maior entrosamento espiritual e é uma das dinâmicas construtoras de uma espiritualidade religiosa mais refinada.

Ser Umbandista é contemplar em prática diária com amor, tudo aquilo que aprendemos no Templo.

Salve a Umbanda, Oxalá nos abençoe!

(imagem retirada da internet)

10 Comentários

Arquivado em Mediunidade, Umbanda

SABEDORIA CAIPIRA

 

Imagem extraída da Internet

Imagem extraída da Internet

“Vocês reclamam da vida, lamentam com Deus, pedem sinais de Sua Divina Presença e lamentam…

Não percebem que Ele está em tudo e se manifesta mais plenamente na natureza.

Então diante os obstáculos da vida, observe atentamente o percurso da água, que em seu leito vai se deparando com todo tido de barreiras e coisas que tentam ou parecem impedir seu curso natural.

Vejam que na maioria das vezes a água pela sua maleabilidade se adapta sem maiores problemas e então ela passa por cima de um tipo de obstáculo, depois ela passa pelas laterais, outras vezes ela envolve aquilo e leva junto consigo, seja como for ela continua avante.

Então chega um momento em que ela também encontra um grande obstáculo, grande mesmo que tem como objetivo represá-la, impedir que continue adiante.

Nesta hora, silenciosamente ela parece cessar seu percurso, mas se engana o leigo. Ela, a água, ficará ali, o tempo que for necessário para ela acumular-se de si, encher-se de si, de sua essência que não cessa, é pulsante, é corrente e acumulativo. Então quando ela enche-se de si, num processo de introspecção e silêncio, de opressão e impedimento, ela se enche de sua própria essência. A água, levará o tempo pertinente ao tamanho do obstáculo, mas chegará a hora em que ela estará tão cheia de si, tão fortalecida em si, que aquele obstáculo de antes será submergido ela transpassará mais aquele obstáculo e nesta hora ela já não é mais a mesma, está mais forte, o que era um córrego vira uma correnteza que com pressa rompe de sua “dormência” e corre para além da barreira, esta barreira que não é mais possível enxergar, foi engolida ou melhor, superada!

Vocês homens e mulheres que lamentam, que paralisam e que se veem diante obstáculos que parecem insuperáveis, observem a água e procurem encher-se de si, busquem sua essência, acumule-se de si, sua força, sua identidade, suas capacidades. Se necessário silencie, pare um pouco e vá acumulando-se de si a tal ponto que o problema, o obstáculo, a dificuldade seja visto de modo tão pequeno que você se verá grande e aquela barreira da vida já terá sido superada, ficado para trás, pois na vida os obstáculos estão aí, a vida não cessa, é como água, continua, corrente, livre.

Pensem sobre isso!”

(Mensagem transmitida durante uma Gira de Desenvolvimento Mediúnico para os filhos do ICA – Templo, pelo Sr. Baiano Zé da Peixeira / Rodrigo Queiroz)

Deixe um comentário

Arquivado em Mediunidade, Pensamentos, Psicografia, Umbanda

DIÁLOGO COM CABOCLO

DIÁLOGO COM CABOCLO

Sobre desvios comportamentais e a sustentação espiritual

Imagem retirada da internet

Imagem retirada da internet

Gira de Caboclos, médiuns em transe, consulência ansiosa e demais trabalhadores cumprindo seus afazeres para que tudo fluísse perfeitamente.

Ao ver aqueles médiuns, jovens médiuns, devidamente mediunizados e entregues para que fossem apenas instrumentos, sentindo profunda verdade exalando de cada um, me veio um intenso sentimento de gratidão e emoção por fazer parte deste processo. Inevitavelmente me ocorreu porque entidades tão luminosas se permitem sustentar médiuns relapsos, inclinados ao erro ou de vida errante? Será mesmo que podem ser sustentados? Será mesmo que há estas entidades coniventes?

Foi em meio a estes questionamentos silenciosos que fui ouvido e se travou o diálogo:

– Meu filho, hoje não farei os atendimentos costumeiros para que você veja com meus olhos o trabalho desta noite e que possa sentir um pouco com meu coração e pensar com minha mente.

– Meu Pai, desculpe pelo desvio…

– Porque tantas perguntas agora?

– Não é agora, são as de sempre, me intriga esta possibilidade de médiuns despreparados e de vida desregrada serem sustentados como estes dedicados e estudiosos que vejo nesta noite.

– Acaso julga que estes são mesmo indivíduos de vida regrada, são preparados e mais legítimos que outros por aí?

– Não sei, ao menos há alguns anos os acompanho e vejo dedicação, empenho e entrega.

– Não, o que você vê é apenas o que ocorre aqui, não é você que os acompanha, eles que te acompanham. Lá fora você nada sabe, quer que lhe aponte uns e outros desvios dos seus filhos? Ou prefere manter-se focado em mostrar o caminho, habilitá-los cada vez mais para que cada um a seu modo, no seu tempo e na sua capacidade, vá absorvendo e praticando os ensinamentos, e com naturalidade vá lapidando seus padrões comportamentais e alinhando seu progresso evolutivo?

– Meu Pai, fico com a segunda opção… O sr. sempre me deixa sem opção (risos). Não me incomoda desastres com médiuns jovens em pleno processo de aprendizado, fico realmente confuso de ver sacerdotes de longa data que na sua vida pessoal, por exemplo, é envolvido com toda sorte de promiscuidade, mas no trabalho espiritual observamos a presença legítima da luz espiritual, é confuso!

– Sejamos objetivos. Partimos da premissa de que todos sem exceção estão em pleno processo de aprendizado evolutivo, humanamente sujeitos a erros, deslizes, vícios, desequilíbrios etc. No entanto podem, apesar de suas limitações, estarem comprometidos com o trabalho espiritual, alimentar os mais sinceros sentimentos de compaixão, fraternidade, caridade e doação espiritual aos mais necessitados. Não é porque você adoece que não poderá ajudar os doentes, não é porque você empobrece que não poderá auxiliar os mais empobrecidos e não é porque você perdeu a fé que não poderá ser auxiliado por alguém que perdeu tudo mas restou-lhe a fé. Manter esta sentença de que a mediunidade é só para os puros, limitaríamos a prática mediúnica a raros ou nulos indivíduos e é uma vaidosa maneira de julgar o outro. No passado, fomos humanos encarnados cheios de limitações e sempre houve aqueles amparadores movidos pelo amor que por séculos acompanham seus tutelados até que estes consigam progredir.

– Compreendo.

– Não são os valores morais católicos que decidem no plano espiritual quem é melhor ou pior, merecedor ou devedor. O indivíduo pode ter muitas dificuldades, muitas limitações e desequilíbrios, mas se alimentar um coração de bem, devotado ao trabalho espiritual para o bem, capaz de se desligar de suas particularidades para deixar-nos fluir em atividade mediúnica, aceite ou não meu filho, mas lá estaremos para sustentar sua mediunidade, auxiliar os consulentes e com a certeza de que assim estaremos também auxiliando o médium, inspirando-o e semeando constantemente valores importantes para sua autolapidação.

– Desculpe meu Pai, mas isso abre margem para o inverso, se torno isso público os indivíduos vão acreditar que podem cometer todo tipo de extravagância, desvios e continuarem amparados pela luz, como que se o velho discurso de que a vida particular nada tem a ver com a vida espiritual fosse verdade. Como que se basta apenas ter amor pela Umbanda ou boa-vontade de ajudar o próximo e pronto, todos seus excessos estão anulados.

– Não, os mal intencionados continuarão tendo seus argumentos como sempre tiveram. E não é verdade, a vida do indivíduo é um conjunto uno, não se separa nada. Compreenda que até aqui falei de questões pessoais no indivíduo, que não venham a se misturar de fato com o trabalho espiritual. Tudo muda quando falamos de médiuns maldosos, vingativos, negativados de fato e que intencionam se valer da mediunidade para seus fins egoístas e improdutivos. É exatamente neste ponto que um médium perde o apoio dos guias de luz. Quando este quer se valer da mediunidade e de nosso trabalho para fins escusos. Então não seremos coniventes e após tentarmos ajudar ao máximo este médium por si só sairá de nossa frequência vibratória e atrairá para seu convívio seres iguais a ele, independente de nossa vontade.

Portanto, o que mantém a sustentação espiritual de um indivíduo é o que ele traz no coração e, mesmo os mais embrutecidos e limitados, podem ter um coração comprometido com o bem. Tome cuidado com o excesso de normas morais, porque neste âmbito muito ainda é discutível.

– Tudo bem meu Pai, mas ainda assim continuo sem entender, por exemplo, uma pessoa que traí seu cônjuge por mera promiscuidade, uma pessoa que sempre que pode tira vantagem sobre o outro, engana financeiramente seu sócio, uma pessoa viciada no álcool ou outras químicas enfim. Não estariam estes sujeitos à perda de sustentação espiritual? Estes estão ilesos? Qual portanto é a vantagem de eu me preocupar constantemente em ter controle sobre meus impulsos instintivos, superar minhas limitações e dominar meu negativismo? Então posso eu dar vazão a toda minha rebeldia interna que está tudo bem? O sr. continuará aqui me sustentando e guiando este trabalho espiritual? Onde se encaixa a orientação de que nossa vida é una e que tudo se entrecruza?

– Filho, quando um indivíduo trai a confiança do outro, quebra assim um acordo de lealdade e fidelidade, ou quando mergulha nas dependências químicas, vive na promiscuidade e tantos desvios comportamentais que você possa citar, este indivíduo cria pra si com o tempo uma atmosfera negativa, quebra suas defesas vibratórias e se expõe a todo tipo de assédio e obsessão espiritual pertinente àquele padrão que criou. Com o tempo paralisará seu progresso e enfraquecerá o seu contato com os guias de luz. Não poderá ter a satisfação de praticar o que prega ou o que houve, não será inspiração para ninguém e tornará sua trajetória quase que injustificável. Cada caso é um caso, deve ser observado atentamente. Por fim este indivíduo poderá submergir tão profundamente nos seus desequilíbrios que nem mesmo sua religiosidade terá mais sentido. É por este viés que as Trevas se instalam e dão sequência a uma ação devastadora na vida do indivíduo e dos envolvidos intimamente com ele.

Então esta é uma realidade que o próprio indivíduo estará criando para si e depende do nível de comprometimento com o desequilíbrio que o próprio está estabelecendo, e isso não tem de fato relação direta com a noção de moralidade estabelecida. Aqui entramos nos resultados de ação e reação, lei das afinidades.

– Então o que foi dito inicialmente parece que está desconstruído agora, meu Pai!

– De maneira alguma, uma situação é o indivíduo que tem uma ou outra dificuldade comportamental que só atinge a si mesmo, mas que ainda luta por se manter vinculado ao trabalho espiritual, reconhecendo suas fraquezas e limitações e que sinceramente mantém consigo a consciência de que precisa se superar, reverter o padrão equivocado e que conta com nosso apoio para tanto.

Outra situação é o indivíduo que se deleita no desvio comportamental, que articula suas sandices e se mantém assim por puro egocentrismo e vício, causando dor e mal ao seu redor, não se compadece com seu próprio infortúnio e fecha-se às possibilidades de conceber seus próprios erros e fraquezas.

Uma coisa é nós insistirmos com quem definitivamente rompe com nossa parceria e propósito e outra coisa é rompermos com aquele que é humanamente frágil mas diariamente antes de dormir se lembra de seus erros, sofre e procura de alguma forma, ainda que lentamente, ir mudando seu padrão.

– Não posso tornar isto público, vão distorcer estas palavras…

– Seu dever, meu filho é tornar público e a capacidade de compreensão fica a cargo de cada qual, esta não é sua responsabilidade.

– Entendo…

– Para encerrarmos apenas estamos querendo lhe mostrar que do lado de cá o julgamento moral de vocês encarnados quase nunca se encaixa. Por exemplo: não é porque uma pessoa se envolve numa determinada situação ilícita, ou mesmo desleal, que este está fadado a “queimar no inferno”. Agora, a insistência, o prazer no erro poderá sim manter o “caldeirão fervente”.

O problema nunca é errar, mas sim manter conscientemente, articulosamente um padrão de erros e prejuízos. Este tipo de indivíduo não consegue manter religiosidade, não se sentirá atraído pela ideia de evolução espiritual, pois isso será um contrassenso, de modo que, naturalmente, este indivíduo que venha ser atraído por assuntos espirituais será aquele que alimenta estes seus desvios. Portanto isso não tem mais relação com Umbanda ou com qualquer religião de fato.

 Sobretudo meu filho, evite o julgamento baseado em si próprio. O ser humano é mais complexo, suas necessidades, seus tormentos, suas inclinações, fraquezas e mesmo potencias não são repetidos num outro semelhante, cada qual é único e do lado de cá é assim que nos relacionamos, sem colocar tudo num só “balaio”, mas nos envolvermos com a individualidade e ajudar. Ontem fizeram isso conosco, hoje é nossa vez.

– Compreendo meu Pai, mas ainda assim me sinto perturbado, vejo coerência, mas me parece que temos brechas para o errante se apoiar.

– Mas não estamos querendo criar nenhuma forma de engessamento. Não é uma ditadura comportamental meu filho. Isso gera rebeldia, e na rebeldia quem se prejudica é o rebelde. E o errante que quer argumentos, acredite, não será aqui que os terá, pois ele sempre tem um bom discurso, mesmo que só ele acredite, e é só isso que basta a ele.

Não tema, prossiga!

– Obrigado meu Pai!

– Vamos encerrar a Gira.

Não tinha me dado conta, já faziam quase duas horas que estávamos nesta prosa. Ainda por alguns segundos pude ver a Gira pelos olhos do Sr. Caboclo, olhos de compaixão, pude sentir a corrente mediúnica com seu coração, coração resignado e fraterno e pude pensar sobre tudo aquilo com sua mente, mente que transcende. Acima de tudo esta estava sendo uma experiência mediúnica nova, intensa e intrigante.

Quase senti vergonha dos meus pensamentos, mas logo passou, aceitei que este é um ponto necessário de ajuste, comecei a aceitar melhor minha própria limitação.

Os Caboclos desincorporaram e os médiuns retomavam suas feições. Pai Tupinambá ainda discursou com os presentes e foi-se “embora, para o Juremá, deixando um abraço forte, com a certeza de que vai voltar”…

Ele sempre volta!

*Experiência mediúnica ocorrida no dia 11/01/2013

FONTE: Rodrigo Queiroz / http://www.rodrigoqueiroz.blog.br

13 Comentários

Arquivado em Mediunidade, Pensamentos, Psicografia, Umbanda