Nana, nenê!

Acabo de colocar a Sol, minha filha caçula para dormir. Normalmente quem o faz é a More (Thaís), mas hoje ela está vencida por uma gripe. Então vesti a pequena, escovei os dentes, talquinho e apaga tudo vamos “nanar”.
Claro que a espuleta não aceito de pronto, então brincamos com as estrelas colados no teto (adesivos fluorescentes), daí comecei a assobiar várias vezes meu imenso repertório de 3  músicas infantis decoradas (boi da cara preta, se essa rua fosse minha e cai cai balão) [risos]. Ela ficou quieta, mas imagino que sentiu saudade da mãe, afinal a mãe sabe cantar o repertório dos Xuxa para Baixinhos 1,2,3,4,5,6,7,8,9,10…
Mas enquanto eu assobiava fui percebendo sua respiração acalmar, ficar profunda mas os olhos continuavam estalados, mais um pouco aconchegou-se nos meus braços, me abraçou e no deleite do seu carinho senti uma gratidão profunda pela vida, por tê-la agora nos meus braços.
Continuei assobiando e meu pensamento correu para seu irmão, Luã, pois é, ele mora com a mãe, então ficamos juntos quinzenalmente e… bem… vivo com constante saudade, quem não mora com seu filho, sabe do que estou falando…
Então sentindo a Sol no meu peito, respirando fundo comecei a pensar no futuro possível destes filhotes, também me corrigi que não cabe a mim escolhas, mas hoje me cabe o cuidado, a tutela, a direção, os princípios… Me cabe ou me transborda o amor. A More tem usado uma frase que define muita coisa agora “filho é o amor feito visível”, sim é!
Percebi também que de tanto se preocupar com o futuro, com coisas que Pai pensa, e só quem é pai entende o que estou falando, coisas que mãe não entende, bem… não vou entrar neste mérito. O fato é que senti como é impagável e sempre inédito o que podemos sentir com a sensação da cabeça do filho pesando no seu peito a medida que vai se entregando ao sono e confiante da sua proteção, rende-se ao mais justo sono dos puros, o sono recarregador, o sono que ensina, pois é, é durante o sono que as crianças processam os aprendizados do dia. Muito diferente de nós adultos que durante o sono procuramos esquecer coisas, buscamos a fuga ou tão simplesmente descansar, o que não significa recompor.
Amanhã você minha filha, acordará brilhante como o Sol, você Sol irradia nossas vidas de energia, de esperança e de pureza.
Obrigado por estar entre nós, eu, mamãe e seu irmão herói, Luã, somos muito melhores com você.
Foi neste “turbilhão” de sentimentos e emoções, com a música Só Agora da Pitty na cabeça, “…deixa eu ninar você, adorar você, agora só agora, porque um dia eu sei, vou ter que deixá-la ir… que mais posso fazer, só te olhar dormir, agora só agora…”
Durma filhota, nana nene… boa noite!

Papai

9 Comentários

Arquivado em Família

9 Respostas para “Nana, nenê!

  1. Pingback: ÍSIS – Nasceu minha Deusa | Rodrigo Queiroz

  2. José

    Bom dia, Rodrigo.

    Escrevi um recado algum tempo atrás e não obtive resposta. Entendo que o tema perguntando por ser um pouco polêmico, mas aguardo resposta.

    obrigado.

    • Rodrigo Queiroz

      Irmão, seu post foi respondido via email na ocasião
      Abraços
      Rodrigo

      • José

        Rodrigo,

        Muito obrigado, e desculpe cobrar. É que o email que fiz o cadastro não uso mais, por isso acabei por não receber.

        Mas agradeço mesmo assim por ter respondido. Mesmo não tendo conseguido ler a resposta. =(

        Outro dia estava lendo um texto seu no Jornal de Umbanda ( se não me falha a memoria) sobre as mudanças que você pensava em fazer para que as pessoas conseguissem “enteder” a umbanda. Retirar as correntes entre outros pontos.

        Eu tenho essa mesma visão, mas acho que mudar seria errado. Pois vejo que o problema são as “pessoas” e não o modo de culto, pois, analisando eu não vejo por exemplo uma pessoa indo embora da Igreja pq já comungou, entre outros exemplos.

        Acho que as pessoas que decidiram seguir a umbanda que precisam repensar em suas atitudes religiosas, e não a umbanda tentar mudar para essas pessoas.

        Abraços.

        • José

          Esqueci,

          Modifiquei o email, o de agora recebo sem problemas. Caso queira responder por e-mail.

          Obrigado, Abraços.

  3. José

    Bom dia, Rodrigo.
    Não sei se este post é o correto, mas não encontrei outro. Sou novo na umbanda, acho que uns 6 meses que frequento, e conheci seu videos nesse interim, o que me ajudou bastante a entender melhor.
    Contudo tenho algumas outras duvidas, qual seria a sua visão diante da sincretizãção? Você acha que continua sendo correta?
    Entendo que deva ser um assunto polemico, contudo acho que a partir do momento que se da maior enfase a teogonia dos Orixas tem de se melhor explicar e se afastar do sincretismo, não acha?
    Pq lendo as lendas de Oxalá tanto descrita pelo Rubens e as antigas do Candomblé, não tem como sincretizar ele a Jesus. Oxalá carrega o peso do mundo, por isso anda arcado, e possui a chave de todos os segredos, enquanto que Jesus veio a terra, teve discipulos e foi crucificado por seus pares.
    Não há como ter uma sincrologia e tentar explicar um orixá pela visão dos Santos catolicos. É o mesmo que você disse sobre os Mediuns da Umbanda se basearem unica e exclusivamente em Kardec por mais que possa ser correto são fatos diversos e modos de “trabalho” mediunicos diversos, correto? Essa é mais ou menos a ideia, ou estou colocando a carroça na frente dos burros?

  4. Pela graça de Olorum tenho sido permitida de ver muita beleza, em diversas coisas e situações, mas há muito não me enchia de tanto amor como ao ler seu texto hoje. (E o comentário da mamãe tbém!..) Parabéns pela linda família. Oxum derrame, cada vez mais, seu mistério divino do amor sobre vocês. Estou grávida e espero conseguir contagiar meu bebê com tamanha emoção. Axé, Vivian Werneck – V. Redonda/RJ

  5. Thaís Helena Martins

    Amor, o que falar desse texto tão lindo que você escreveu… Queria te dizer tanto, mais vou até ai lhe mostrar em carinho o que sinto agora…
    É sempre tão lindo ver o carinho e amor que ela dedica a você. O olhar, os gestos que ela manifesta em você, o sorriso que ela abre ao lhe ver entrando em casa. E o amor que ela sente pelo irmão, a alegria toda vez que o vê, acho que ela sente saudades dele todos os dias.
    Nada nesse mundo pode ser tão especial como estar com um filho. A alegria que eles nos trazem, a força e a alegria de viver, cada minuto ao lado deles. E sinto que são nesses momentos simples do cotidiano que vivemos os momentos mais especiais das nossas vidas. Nós sempre queremos ensinar coisas aos filhos, mais são eles que acabam nos ensinando mais. A pureza, o carinho sem medo, a gargalhada sem fim, o choro que leva embora toda dor…
    Sou muito feliz pela vida ter me dado uma filha linda com você, um pai mais que especial, um pai super coruja, super herói, um pai super presente, super preocupado em ensinar e proporcionar tudo o que há de melhor para seus filhos.
    Tenho certeza que o Luã e a Sol se orgulham e se orgulharão sempre do pai herói deles.
    Te amo mais do que ontem e menos do que amanhã!

    (Acho que a Sol não se importou em a mãe estar dodói e poder nanar aos braços do pai!)

  6. Michele

    a vida nos da pequenos presentes a cada dia cabe a nos sabermos reconhecer neles a felicidade.
    sds amigos
    bj

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s