“O DIA EM QUE A TERRA PAROU” E A UMBANDA

dia_terra_parou_2

Por Rodrigo Queiroz

Quando assisti o filme “O dia em que a Terra parou”, imediatamente associei a história com a Umbanda, não com o terreiro, mas com o universo astral que circula na Umbanda e vim ensaiando de escrever algo.

O filme é um remake do clássico de 1951 que, por sua vez, foi baseado num conto de Harry Bates, chamado Farewell to the Máster. Conta a história do alienígena Kaatu que vem a terra com seu robô sentinela Gort, para salvar o planeta de nós humanos. A ordem é implantar um sistema para preservar o planeta, numa espécie de missão “arca de noé”, recolhendo exemplares de todas espécies animais em bolhas “plásmicas” e destruir a espécie humana que está esgotando a natureza da terra sem o menor pudor. Quando Kaatu é atingido por um tiro e então preso no hospital ao ser interrogado e falar do seu propósito se indigna com a postura da Secretária de Defesa quando dispara: “Vocês não tem o direito de invadir meu planeta”. E é justamente essa postura de propriedade que a espécie humana mantém perante o planeta que permite tal esgotamento de suas fontes naturais.

O paralelo que faço com a Umbanda é a idéia da existência de outras dimensões ao nosso redor que abriga outras espécies de vida inteligente e tem no planeta terra sua fonte de sustentação natural. Porém com um diferencial em relação aos humanos, estas espécies preservam o planeta e nós esgotamos.

O terreiro de Umbanda abre a oportunidade de convívio com estas espécies e realidades, inclusive venho escrevendo alguns textos relatando esta convivência, trata-se dos elementais (duende, gnomos, ninfas, silfos, etc), encantados (orixás incorporantes, seres de outra dimensão), espíritos (humanos no plano etérico), animais e uma gama infinita de magnetismos provenientes de elementos oferecidos pela natureza.

Sabemos claramente deste intercâmbio, da necessidade que nós humanos temos de interagir com estes seres e vice-versa. A questão é: qual o tamanho da nossa responsabilidade? Ou melhor, já que nos é dado a oportunidade de habitar físicamente este planeta e até modificá-lo a nosso favor, estamos dignificando nosso uso planetário? Sabemos a resposta.

Fico preocupado em imaginar uma rebelião de duendes, gnomos, encantados etc. (risos)

É leitor, vale a pena se atentar sobre as realidades paralelas que dependem deste planetinha e que nós prepotentes humanos tanto precisamos, mas faz questão de fazer de conta que não sabe disso. Estamos todos entrecruzados e somos o resultado disso, portanto como diz Fritjof Capra, “uma ação aqui reflete numa estrela no espaço”.

Outro ponto interessante do filme é o sentinela Gort, que apresenta a idéia do guardião pronto para a execução implacável conforme a lei, então qualquer semelhança com Exu é “mera coincidência”.

Por fim, mesmo Klaatu estando convicto de sua missão e Gort já ter iniciado o processo de extermínio da raça humana e tudo o que ela criou, ele precisando da ajuda de uma humana percebe que a raça alvo tem algo de bom, que é capaz de ser bom e decide dar mais uma chance e aborta a missão.

Mais um encontro com as lições de terreiro que normalmente na boca de um preto velho diante nossas ansiedades e desesperos pelo resultado de nossas próprias ações nos consola: “É mi zi fio, agora que vós zuncê sabe do erro, comece a acertar, pois é sempre o tempo para fazer diferente”.

Então caro leitor, vamos refletir e mudar nossos hábitos e não deixar chegar “O dia em que a gira parou”.

Saravá!

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para ““O DIA EM QUE A TERRA PAROU” E A UMBANDA

  1. Foi muito legal você fazer essa comparação entre o filme e a Umbanda.É incrível a semelhança entre o sentinela com os Guardiões e Guardiãs de nossa Amada Umbanda, mas o que mais me marcou, foram as cenas em que ele envoca as forças da natureza, e uma nova dimensão se abre, como os portais, são cenas que arrepiam.Ótima indicação de filme!!!Tenho certeza que com essa análise muitos assistirão com outros olhos,rs.Beijo bem grande!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s